14 de abril de 2021

CARLOS REUTEMANN


Carlos Alberto Reutemann nasceu no dia 12 de Abril de 1942 em Santa Fé, Argentina.
Em 1965 estreou-se no automobilismo com um FIAT. Depois passou pelas corridas de Turismo e pela Formula 2 argentina. 
Em 1970 viajou para a Europa para ingressar na equipa Automobile Club of Argentina Team que usava um Brabham e disputava o campeonato europeu de F2, terminando a temporada em 15º lugar. No ano seguinte ficou em segundo, atrás do sueco Ronnie Peterson.
No ano de 1972 deu o salto para a F1. Ingressou na equipa Brabham e começou em grande estilo, ao alcançar a pole-position na sua estreia, na corrida inaugural da temporada, o Grande Prémio da Argentina e apesar de ter largado em primeiro, terminou a prova no sétimo lugar e fora dos pontos. No final do campeonato ficou em 16º lugar com três pontos, graças ao quarto lugar conquistado no Grande Prémio do Canadá.
Em 1973 conseguiu o primeiro pódio no Grande Prémio de França em Paul Ricard, onde terminou em terceiro lugar, atrás de Ronnie Peterson e de François Cevert.
No ano de 1974 e ainda com a Brabham, conseguiu a sua primeira vitória no Grande Prémio da África do Sul em Kyalami. Nesse ano ainda conseguiu ganhar mais duas vezes, no Grande Prémio da Áustria e no Grande Prémio dos E.U.A., terminando o campeonato no 6º lugar.
Cinco pódios em 1975, incluindo a vitória no Grande Prémio da Alemanha em Nurburgring, permitiram a Reutemann terminar em terceiro lugar no campeonato. A equipa Brabham mudou para os motores Alfa Romeo em 1976 e sofreu grandes problemas de fiabilidade e depois de sete abandonos e de apenas um 4º lugar, nas doze primeiras corridas, Reutemann negociou a libertação do seu contrato com a Brabham para se vincular com a Ferrari, que estava a procura de um piloto para o lugar de Niki Lauda, no entanto a rápida recuperação do piloto austríaco, permitiu que Carlos Reutemann corresse apenas pela Ferrari no Grande Prémio de Itália em Monza. Nos dois anos seguintes e ainda com a Ferrari, Reutemann não foi além de quatro vitórias e de um quarto e um terceiro lugares nos campeonatos.
Em 1979 teve uma passagem sem brilho pela Lotus, tendo conseguido chegar ao pódio por quatro vezes, sem no entanto alcançar alguma vitória.
Em 1980 ingressou na equipa Williams e voltou a ter um carro competitivo. A primeira prova do ano era o Grande Prémio da Argentina e Carlos Reutemann a correr em casa só pensava na vitória, mas na 12ª volta o motor do Williams deixa de funcionar. Reutemann saiu do carro, tirou o capacete, sentou-se no chão e desabou num choro diante do público que estava nas bancadas e da camaras de televisão. Nesse ano venceu o Grande Prémio do Mónaco e terminou no pódio por mais sete vezes o que permitiu que chegasse ao fim do campeonato em terceiro lugar.  
Em 1981 esteve perto de vencer o campeonato mas acabou por ver o brasileiro Nelson Piquet a sagrar-se Campeão Mundial com apenas mais um ponto.
No ano de 1982 e depois das duas provas inaugurais do campeonato, Carlos Reutemann deixou a Williams e a F1, alegando que não tinha mais motivação. No entanto, Patrick Head, sócio da Williams, afirmou que por causa das cada vez mais elevadas tensões entre Argentina e Inglaterra, que poderiam iniciar a qualquer momento uma guerra por causa das Ilhas Malvinas, Reutemann decidiu romper com a equipa inglesa.
Depois de deixar a F1, Carlos Reutemann entrou no mundo da política. Chegou a governador de Santa Fé em dois mandatos e depois das eleições gerais de 2003 ganhou um lugar no Senado Nacional. 
Carlos Reutemann esteve 11 anos envolvido na F1. Disputou 146 Grandes Prémios. Conquistou 12 vitórias, 6 pole-positions, 6 voltas mais rápidas e 45 pódios.


Sem comentários: